domingo, 23 de novembro de 2008

Bem-vindas(os) ao MMS-Bragança


Saúdo a todos,

Inauguro este espaço com a esperança de contribuir para a revolução inteligente, a revolução das boas ideias e da razão que podem devolver a emoção política a um país que anda desgovernado há demasiado tempo. A escalada de aumentos de impostos sem retorno para a sociedade, mentiras, incumprimentos e desresponsabilização é incomportável. A degradação da credibilidade da classe política governante deve obrigar-nos a reflectir sobre a falta de eficiência e a insuficiente democraticidade do actual modelo de governação.

Portugal não pode esperar mais, os partidos políticos dominantes não têm condições para implementar as reformas que Portugal necessita para se alinhar com os melhores da Europa. Os seus líderes e imediatos não representam, e estão muito longe de ser, os melhores e mais capazes recursos humanos disponíveis em Portugal para governar o país. Então porque votamos neles?

É tempo de mudar. Resignar-se pelo medo de mudar nunca será solução, fazer ouvir a nossa voz enquanto democratas pró-activos, apoiando o melhor para Portugal é a escolha correcta. A avaliação dos políticos não é tema exclusivo dos comentadores, é uma reflexão que cada um de nós deve fazer em consciência porque é o nosso futuro e o futuro dos nossos filhos que está em causa. Votar em branco ou abster-se não faz sentido, o que faz sentido é procurar soluções e, na política, como em tudo, as melhores soluções são as melhores pessoas.

O MMS (Movimento Mérito e Sociedade) é um novo partido político de Portugal - sem políticos profissionais -, fundado por um conjunto de cidadãos independentes, com percursos académicos e profissionais de comprovada qualidade, oriundos das mais variadas áreas da sociedade civil e unidos pelo ideal de uma sociedade melhor, que decidiram afirmar-se pela intervenção política, promovendo a REVOLUÇÃO INTELIGENTE que Portugal necessita, criando uma alternativa aos portugueses que se cansaram de esperar pela boa governação que nunca chega, e procurando actuar nas instâncias onde é possível reformar o sistema político e governativo no sentido de transformar Portugal num país de referência - primeiro na ética política - na educação, na justiça, na saúde, na economia, na ciência, no ambiente e em todas as áreas que contribuem para a qualidade de vida dos cidadãos.

O MMS-Bragança defende o desenvolvimento do interior como desígnio nacional para recuperar o equilíbrio e fomentar a igualdade de oportunidades. Portugal não pode desaproveitar o potencial das suas regiões do interior. O interior, nomeadamente o interior nordestino, já demonstrou capacidade para se desenvolver sempre e quando a governação aposta nesta região, o IPB (Instituto Politécnico de Bragança) é um caso de estudo mundial pelo seu sucesso apesar da localização periférica e das condicionantes económicas e demográficas da região onde está inserido. Afirmando a sua diferença, por princípio, o MMS não se revê na lógica de unanimismo partidário, a ser eleito um deputado do MMS por Bragança este estará sempre em defesa da sua região ainda que isso choque com a lógica partidária. O MMS também defende eleições legislativas por círculos uninominais em que o eleito deve corresponder em respeito e dedicação aos cidadãos que o elegeram, responsabilizando-se perante estes pela sua intervenção, acção e conduta política. Infelizmente, vemos os actuais deputados por Bragança (com especial incidência nos que pertencem ao partido no Governo) sempre em defesa dos seus partidos, muitas vezes sem pejo em prejudicar a região, lembrando-se apenas dos cidadãos da sua região quando novas eleições se aproximam.

O MMS-Bragança procura novos políticos para o distrito, que tal como nós acreditem no mérito e na sociedade como fundamentos essenciais para reformar Portugal, e que queiram ser agentes da mudança nos concelhos e freguesias do distrito de Bragança. Chegou a hora de se assumir por Portugal e pela nossa região.


A ideologia do MMS está discutida aqui.

O presidente do MMS apresenta em entrevista a sua visão para mudar Portugal.

Encontra mais informação sobre o MMS em www.mudarportugal.pt


Até breve,

Sérgio Deusdado - MMS Bragança
mmsbraganca@gmail.com
sdeusdado@mudarportugal.pt



Apresentação oficial do MMS em Bragança
1 de Julho de 2008, Auditório Paulo Quintela


7 comentários:

Marcelo disse...

Olá Sérgio
Saúdo-te pela coragem em enfrentares este novo desafio.
Este espaço é fundamental para incentivarmos a discussão de ideias ao nível partidário.
De facto, estamos cansados dos partidos das militâncias.
Precisamos de gente nova que queira assumir um novo rumo para Portugal e que possa livremente bater-se pelas suas ideias.
Se Nada Fizermos, Nada Acontece
Grande abraço para Bragança
Marcelo Pinho

Augustus disse...

Sérgio li com atenção a tua mensagem respeitante à política (Partido MMS), desejo-vos felicidades. Para a frente é o caminho.

Força e bons êxitos...

Augustus

India disse...

Espero que possam marcar a diferença e arrancar este distrito do sono profundo em que parece ter entrado....
http://diariodebraganca.blogs.sapo.pt

N. disse...

Faço minhas as palavras da índia... que, de resto, tem um excelente e informativo blog, muito completo sobre a nossa região /distrito de Bragança. É preciso agitar as águas chocas da partidocracia vingente e, principalmente, retardar o mais possível essa espécie de "plano secreto" para secar o interior, mantendo apenas meia dúzia de cidades (com uma futura dimensão de vilas)... O objectivo é irmos todos a engrossar os pelotões de desempregos (e potenciais escravos a servir de mão de obra barata) das grandes urbes litorenhas... objectivo??? bem, talvez com isto tudo deserto não haja depois grandes problemas em colocarem-se aqui umas centraizitas nucleares, pois já não há mais rios para mais barragens, e, em breve, nem mais serras para tantos geringonços eólicos... E o "business" reclama sempre mais obras, mais obras, mais obras.....

Rui Simão disse...

Ditadura, mas pouco…

Viva o 25 de Abril! Desde 1974 que podemos dizer mal de quem quisermos, vaiar governantes e apupar todo e qualquer “fascista!” que nos aprouver.

A conquista da liberdade de expressão trouxe muito. Hoje fala-se na ditadura com a certeza que se ultrapassou o tempo em que quem pensasse de maneira diferente estaria condenado a nunca ir a lado nenhum.

Quem era contra o sistema ditatorial não passaria de um “zé ninguém” e isto se tivesse a sorte de não ser preso! A juventude hoje ouve reprimendas do tipo “tu não sabes o que dizes, aquele tempo era ruim, nem um homem inteligente e de bons valores podia de modo algum fazer nada para melhorar fosse o que fosse, estava tudo nas mãos do poder, e não havia maneira de lá chegar!”.

Ah mas em 1974… Em 1974 chegou a democracia! E hoje os jornais podem dizer que o PM se calhar até não é engenheiro, os comediantes não têm de levar com o lápis azul e tudo se pode dizer nas conversas de café! Bendita democracia!

De resto, parece-me, está tudo na mesma, o poder eterniza-se e meramente se vai revezando ao passar dos anos.
Quem quiser operar alguma mudança legitimamente consagrada já pode…
Mas primeiro tem de preencher os modelos 400000789 do IFADAP e juntar-lhe as declarações x e y do IGP que só podem ser dadas a parecer não vinculativo da CITE. Seguidamente, se tiver perseverança para passar esta fase, dá entrada ao pedido na Câmara Municipal e espera o decurso do procedimento administrativo que é indeferido findos 90 dias, e depois sim começa a verdadeira galhofa já nas intermináveis impugnações judiciais.
O nosso protagonista acaba pois, a desistir de tudo isto porque já tem mas é de meter os papéis da reforma, se não se apressa ainda tem de ficar a trabalhar mais uns anos e com perda de retribuição.

Já percebi. A nossa maravilhosa Constituição de 76 é que anda todos os dias no forrobodó.

É que parece que o português inteligente e de bons valores já não vai lá só com mérito, empenho, esperança e luta. Os caminhos legítimos da democracia estão vedados!

Se ele queria mesmo aquele trabalhinho resolvido na Câmara tinha mas é de ter lá uns amigos a quem pudesse oferecer uns almoços, ou melhor ainda, ser militante activo do partido do poder na zona!
A ditadura partidária é de resto a mais escandalosa de todas, quantas vezes ouvimos dizer, e com asno constatamos, que não há melhor maneira de conseguir o que se pretende do que estar ligado ao poder ainda que manco, obtuso e falido?
Os melhores lugares não são para os que demonstram esforço e capacidades, não são para aqueles a quem devia ser dado o merecido mérito. São para os amigos dos comícios.

É ver a democracia rastejar pela lama, afinal, para além da grande conquista da liberdade de expressão continuamos todos reféns do poder, sentimos na mesma que para sermos reconhecidos é preciso conhecer alguém que já o seja.
E lá em cima a governar, ora um, ora outro, um atrás do outro, todos iguais. Afinal chegaram lá todos da mesma maneira.
A ditadura não morreu. É fundamental mudar a forma de fazer politica em Portugal.

Basta disto! Faça-se outro Abril se preciso, hoje mais do que nunca há que lutar contra o que nos dizem que temos mas na verdade sabemos que não existe!

Que cada um ganhe pelo seu valor próprio e que ganhemos todos pelo nosso valor colectivo. A opinião de todos, a participação activa dos acreditam num País melhor e superior é fundamental.
Usemos a réstia de democracia que temos para demolir a IMENSA ditadura que nos ficou!

Definitivamente. É preciso mudar Portugal.

Anónimo disse...

Olá Sérgio e restante equipa.
Gostei de entrar no vosso site.
Um abraço de coragem e apoio.
Cristina Mesquita

Sérgio Deusdado - MMS Bragança disse...

Obrigado pelo apoio. É muito importante para nós sentir que há pessoas que valorizam os nossos esforços. A qualidade da nossa democracia depende de todos nós, sobretudo das nossas acções para a enriquecer. Nós no MMS temos a certeza de que é preciso MUDAR PORTUGAL para que não tenhamos de mudar de país.

Enviar um comentário

Os comentários deverão pautar-se por regras de ética e boa educação. Obrigado pela sua participação cívica.

Comentários recentes

Está de acordo com a existência de milhares de lugares de nomeação na administração pública?